PORÇÕES - Feitas na Hora!

Batatas fritas

A batata é originária do altiplano dos Andes. Em 1570, foi levada do Peru para a Europa pelos conquistadores espanhóis como mera curiosidade botânica. Com o passar do tempo, se tornou um dos vegetais mais utilizados na alimentação humana em todo o mundo.

O termo batatas fritas refere-se ao produto da preparação culinária de batatas cortadas previamente em tiras, palitos finíssimos, rodelas ou folhas e, posteriormente, fritas em óleo vegetal.

Mandioca frita

Mandioca é o nome pelo qual é conhecida a espécie comestível e mais largamente difundida do gênero Manihot, composto por diversas variedades de raízes comestíveis.

O nome dado ao caule do pé de mandioca é maniva, o qual, cortado em pedaços, é usado no plantio. Trata-se de um arbusto que teria tido sua origem mais remota no oeste do Brasil (sudoeste da Amazônia) e que, antes da chegada dos europeus à América, já estaria disseminado, como cultivo alimentar, até a Mesoamérica (Guatemala, México). Espalhada para diversas partes do mundo, tem hoje a Nigéria como seu maior produtor.

No Brasil, possui muitos nomes, usados em diferentes regiões, tais como: mandioca-brava - a que contém o venenoso ácido cianídrico - aipim, castelinha, macaxeira, mandioca-doce, mandioca-mansa, maniva, maniveira, pão-de-pobre, e variedades como aiapuã e caiabana, ou nomes que designam apenas a raiz, como caarina.

Polenta frita

Polenta é um alimento típico da culinária Italiana, mas que tem amplo uso e aceitação em diversos países, como Argentina e o Brasil. Sua base é a Farinha de Milho.

Antes da chegada de imigrantes italianos, já se consumia no Brasil uma forma de polenta de milho denominada angu que pode ter a consistência de uma polenta firme ou cremosa, mas que nunca era grelhado ou frito.

A polenta constituía a base alimentar da população e dos legionários romanos.

Sua textura varia bastante, de firme a cremosa. A polenta sempre foi feita da mesma forma: com bastante esforço e paciência, misturando a pasta de milho em caldeirões de cobre, aquecidas sob o fogo.

Antigamente considerada "comida de pobres", a polenta hoje é usada em diversas casas e restaurantes, sem essa conotação.

Torresmo crocante

O torresmo é uma preparação culinária feita de pele de porco com gordura (ou toucinho) cortada em pequenos pedaços e frita até ficar crocante.

No Brasil, é uma contribuição da culinária de Portugal, com alguns retoques dos temperos trazidos pelos escravos da África. Antigamente, era só uma maneira de se obter a banha de porco, mas na Bahia colonial, os escravos passaram a consumi-lo diretamente.

O torresmo passou a ser utilizado em larga escala como um delicioso petisco, sendo apreciado acompanhado de um aperitivo e utilizado também na feijoada e no feijão tropeiro. Acompanha muito bem qualquer bebida, sendo o mais comum seu consumo com cerveja.

Onigiri
O Onigiri também conhecido como Omusubi é um bolinho de arroz japonês geralmente em forma de triângulo.

Antigas escrituras, contam que os samurais guardavam bolinhas de arroz em bambus, e por ser leve e de fácil transporte o usavam como refeição durante as batalhas.

Do Período Kamakura ao Período Edo, o onigiri foi usado como refeição rápida. Isso fez com que os cozinheiros apenas pensassem em como fazer uma grande quantidade de onigiris sem pensar em como servir. Este onigiri era simplesmente uma esfera de arroz temperado com sal.

Acreditou-se que o onigiri não poderia ser produzido com uma máquina porque a técnica de rolar o arroz era demasiada difícil para que uma máquina executasse.

Pasteis Fritos

Os pastéis são geralmente pequenos, ao contrário das tortas, empadões ou pastelões e podem ser doces, ou salgados, como os nossos pastéis de carne, de queijo e de Palmito.

Os pastéis, como conhecemos no Brasil, foram inventados na década de 1940 por descendentes de imigrantes japoneses em Santos, que modificaram a receita da Gyoza para usar recheios tipicamente brasileiros e uma massa diferenciada, que em sua composição leva cachaça.